13 fevereiro 2012

Escrever liberta?


Há tantas coisas dentro de mim que não consigo definir, há coisas porém que guardo como forma de proteção. Palavras devem ser ditas no momento certo e na medida certa, mas sempre ocorre um deslize, um momento em que nos transbordamos de todas elas. A vida às vezes nos impõe situações difíceis, momentos em que devemos calar e apenas ouvir. Sou daquele tipo de pessoa que guarda demais, não sou de dizer nada no primeiro acontecimento, eu vou guardando. Observo as coisas se repetirem, mas assim como qualquer pessoa, chega uma hora que não dá, chega uma hora que essas palavras sufocam, então preciso as por pra fora, tenho que jogar isso por ai, espalhar pelo mundo. Minha liberdade eu encontro no que escrevo, eu não invento palavras ou textos bonitos, eu falo o que há no meu coração, absolutamente tudo. Somente escrevendo eu me sinto leve, renovada comigo mesma e a sensação é de que eu tirei um peso das costas, e que finalmente posso dizer “ufa! Acabou”. Afinal quem nunca se sentiu assim? Esse texto é simples, só o fiz pra poder ressaltar o quanto é importante ler e escrever e o quanto a escrita me faz bem.
Reações:

2 comentários:

  1. A escrita liberta sim!

    É dela que caimos em
    extase, argumentos,
    em facas afiadas
    enfincadas no peito!
    É dela que o sexo
    vira poesia; de tudo
    extrai-se a boêmia.
    Dela os encontros
    são mais sutis,
    as mulheres mais
    sensualistas, e os
    homens, mais viris.

    A escrita liberta, sim!
    Apressa os sentidos
    Da cor ao que está inibido
    Encanta, faz gemido
    Trás sorrisos de criança
    Faz o corpo entrar em dança
    Transpira o pensamento
    que fica suspenso no ar.

    A escrita
    é a arte do pensar.

    Seguindo-te.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o teu verso pequena e as comparações feitas por você. Está de parabéns, seja muito bem vinda no meu blog.

      Excluir